top of page
  • Foto do escritorGuilherme Cândido

Amor Por Direito esbarra em clichês para contar história relevante

Atualizado: 16 de jul. de 2022

Como bem acreditava Aristóteles, a Arte imita a vida. Mas, no caso do Cinema, nem sempre o que vemos na tela é exatamente uma representação fiel do que acontece na realidade. Sim, a Sétima Arte é capaz de mostrar a evolução da Sociedade ao longo dos anos (e de muitos filmes), entretanto, em muitos casos, a tal evolução mostrada na telona não passa de uma utopia de alguma mente sonhadora almejando um futuro melhor. Felizmente, Amor por Direito (ou Freeheld, no título original) é um filme “baseado em uma história real”.


Escrito pelo veterano Ron Nyswaner (indicado ao Oscar por Filadélfia), o roteiro narra a história da policial Laurel Hester (Julianne Moore,de Amor a Toda Prova) que, portadora de um câncer em estado avançado, tem dificuldades para convencer o governo a deixar sua pensão para seu grande amor, com quem divide uma casa e possui um relacionamento longo o suficiente para tal. O problema, aos olhos do governo, é que o tal “grande amor” é outra mulher, a mecânica Stacie Andree (Ellen Page, de A Origem). Mas na luta contra o preconceito, Laurel conta com a ajuda de seu parceiro (Michael Shannon, de O Homem de Aço) e de um ativista (Steve Carell, também de Amor a Toda Prova) para exigir o seu direito.


Mesmo contando com um elenco repleto de nomes conhecidos e talentosos, numa história forte e real, Amor Por Direito jamais consegue envolver o espectador, optando por seguir uma estrutura esquemática e que ainda abusa dos mais diversos clichês para construir sua trama. Previsível e artificial, o filme até possui alguns bons momentos graças à habitual entrega da excelente Julianne Moore e do desempenho sincero e carismático do também ótimo Michael Shannon, mas a caricata composição de Steve Carell acaba atrapalhando momentos-chave da trama.


A direção de Peter Sollett (do açucarado Uma Noite de Amor e Música), por outro lado, merece elogios pela naturalidade com que a trama é conduzida, e que fica ainda mais evidente graças, mais uma vez, às boas performances das protagonistas.


Infelizmente, toda a força do tema central acaba sendo diluída à medida que a história se encaminha para seu previsível final, uma lástima surpreendente se lembrarmos que seu autor também foi o responsável pelo relevante Filadélfia.


Ao acenderem-se as luzes, o sentimento que fica é o de ter assistido a um filme sério, mas que não foi tratado com cuidado o suficiente para ser lembrado como algo relevante. Felizmente, para isso temos Filadélfia.


NOTA 5

Comments


bottom of page