top of page
  • Foto do escritorGuilherme Cândido

Inofensivo, No Coração do Mar não passa de uma divertida aventura marítima

Um dos grandes clássicos da Literatura mundial, Moby Dick, magnum opus do escritor norte-americano Herman Melville, marcou época por se tratar de uma história que ia muito além do confronto entre o Capitão Ahab e a temida baleia branca. Se tratava, acima de tudo, do embate Homem Vs. Natureza, e, claro, da obsessão do ser humano e de seus mais obscuros sentimentos.


No Coração do Mar narra a aventura que inspirou Melville a criar sua obra-prima. Aqui, acompanhamos o escritor em busca da história que irá colocá-lo entre os grandes de sua época. É quando se encontra com o velho Thomas Nickerson (Brendan Gleeson, numa interpretação carregada de sensibilidade) para ouvir sobre a história de um jovem que embarca num navio baleeiro e se depara com um verdadeiro “demônio” marinho.


Como aventura, o filme funciona maravilhosamente bem. Ron Howard (diretor dos fantásticos Uma Mente Brilhante e Apolo 13) é hábil ao retratar o cotidiano dos marujos, sendo particularmente eficaz ao retratar os perigos de uma tempestade. E por falar nos marujos, Chris Hemsworth, não tem dificuldades em convencer como o primeiro imediato Owen Chase: carismático e seguro, o ator carrega o filme com facilidade, embora o elenco de apoio também não decepcione.


Entretanto, o filme não consegue ser mais do que um mero entretenimento. Ron Howard falha em conferir peso às cenas mais impactantes do filme. Nada parece impactar, nem mesmo as conseqüências do ataque da baleia, o que acaba comprometendo consideravelmente o resultado final. Com isso, No Coração do Mar se revela uma aventura marítima divertida e interessante, mas completamente inofensiva.


NOTA: 7




Obs: O 3D é completamente desnecessário, servindo somente para escurecer a fotografia e aumentar o preço dos ingressos.


Publicado originalmente no site Central 42 em 6 de Dezembro de 2015

bottom of page
google.com, pub-9093057257140216, DIRECT, f08c47fec0942fa0