top of page
  • Foto do escritorGuilherme Cândido

"Sem Rastros" e a vida na natureza como terapia pós-guerra

Responsável por alçar Jennifer Lawrence ao estrelato, a cineasta estadunidense Debra Granik ainda colhe os frutos pelo marcante Inverno da Alma, filme que recebeu 4 indicações ao Oscar em 2011. Relacionando-se com a natureza como se esta fosse praticamente uma personagem, aquela produção já revelava muitas pistas sobre o que Granik viria a explorar em seu mais novo filme, Não Deixe Rastros (Leave no Trace, no original).


Contando a história de um pai que vive com sua filha na floresta (mais precisamente no Parque Público de Portland), Granik constrói um retrato bucólico e sincero de um relacionamento em fases opostas. Enquanto Will (Ben Foster) mostra-se incapaz de viver em sociedade, recusando a deixar a vida simples entre as árvores, Tom (Thomasin McKenzie) é uma adolescente em franco desenvolvimento, demandando uma agressiva expansão que invariavelmente entra em choque com os ideais consolidados de seu pai.


E o roteiro (também de autoria de Granik ao lado da produtora Anne Rosellini) ganha pontos pela sutileza com que sugere as mudanças da garota, como ao fazer com que a frase “estou com fome” seja repetida várias vezes, por exemplo, ou ao mostrá-la cada vez mais à vontade com outras pessoas, ainda que com certa insegurança, o que aos poucos vai lhe distanciando de seu cotidiano minimalista e lhe apresentando a uma realidade cosmopolita repleta de possibilidades. Nessa conjuntura, a performance da jovem Thomasin McKenzie (O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos) é crucial para que compreendamos a essência da adolescente sem enxergá-la como uma rebelde sem causa.


Transitando entre a seriedade com que conduz as tarefas ao lado de seu pai com uma leveza subjacente que evidencia sua visão de mundo, McKenzie é inteligente ao jamais transformar Tom numa espécie de ‘adulto em corpo de adolescente’, permitindo-se pequenos arroubos infantis que conferem à moça uma aura inocente e espontânea, tanto em seu fascínio por cavalos-marinhos, como nas brincadeiras que faz para chamar a atenção de seu pai para sua fome crescente.


Estabelecendo desde o início uma forte química com sua parceira de cena, Ben Foster (Warcraft), por sua vez, concebe Will como um veterano de guerra que lida com seu estresse pós-traumático através da determinação em cuidar de Tom e fazê-la uma pessoa digna, impedindo que lembranças ruins afetem seu modo de agir. Aliás, é preciso reconhecer a composição disciplinada de Foster, que evidencia a evolução de um intérprete infame por seu histrionismo.


Por outro lado, não é por acaso que Tom e Will sejam o coração de Não Deixe Rastros, por meio de um relacionamento honesto e respeitoso, mesmo quando há evidente e irredutível discordância de pensamentos, e é comovente ver a devoção de Tom levá-la a acompanhar o pai mesmo contra sua própria vontade, agarrando-se à esperança de vê-lo finalmente liberto.


Liberdade que acaba se tornando um elemento importantíssimo na jornada de Tom, uma jovem em constante mudança e cujas ambições já não cabem mais no mundo reservado e isolado de seu pai, que mal consegue cumprir a promessa de tentar adaptar-se à vida em sociedade, falhando miseravelmente em sua eterna luta contra os efeitos colaterais da guerra.


Embora a dicotomia entre natureza e sociedade moderna inicialmente sugira um contraste através do estilo de vida minimalista , aos poucos vai cedendo espaço a uma trama mais interessada nas relações interpessoais, indo numa direção semelhante a do magnífico Capitão Fantástico, seu primo temático e que coloca Viggo Mortensen na pele de um pai que educa seus filhos por conta própria em, adivinha só, uma floresta.


Uma comparação que não faz nada bem a Não Deixe Rastros, já que nem mesmo a agradável experiência proporcionada pela história é capaz de contornar a superficialidade de seus conflitos e sua condução frouxa por parte de sua diretora, que pode até ser competente ao extrair performances marcantes de seus protagonistas, mas carece de um algo a mais capaz de trazer contundência a uma narrativa que parece presa numa estrada sem um destino aparente.


Uma rua repleta de verde ao seu redor e pavimentada com um sofisticado asfalto, mas percorrida por um carro sem muita potência para seguir viagem.


NOTA 7,5


Crítica originalmente publicada como parte da cobertura do Festival do Rio 2018.

Comments


bottom of page