top of page
  • Foto do escritorGuilherme Cândido

"Utøya 22 de Julho: Terrorismo na Noruega" é tensão ininterrupta


Em 22 de Julho de 2011, a Noruega viveu um dos episódios mais trágicos de sua história, quando dois atentados terroristas estarreceram sua população. O primeiro aconteceu na capital, Oslo, com uma bomba sendo detonada no prédio da sede do governo. O outro representou um verdadeiro massacre na pequena ilha de Utøya, resultando em 77 mortos, 99 feridos gravemente e uma geração inteira traumatizada para sempre. Esse ataque, por sinal, é o foco deste filme, o representante norueguês na corrida por uma vaga entre os cinco finalistas ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.


Logo depois de exibir filmagens reais do ataque à Oslo, a produção corta (pela última vez) para o cenário principal da história, uma pequena ilha que está recebendo uma colônia de férias, repleta de jovens ávidos por diversão, descontração e alguns momentos longe de adultos. É nesse cenário que surge um maníaco identificado como ‘um supremacista de extrema-direita’, disparando contra qualquer um que ousar correr. Nesse caos absoluto acompanhamos a jovem Kaja (Andrea Berntzer) que se divide entre as tarefas de escapar da mira do atirador e procurar sua irmã mais nova.


Beneficiando-se de uma estrutura que afaga o coração do espectador com um clima amistoso que domina os primeiros minutos de projeção e logo nos atira no caos absoluto, o roteiro é bem sucedido ao estabelecer desde já cada personagem e sua importância para a história, mesmo que o ritmo frenético e a tensão crescente só nos estimule a torcer para que tudo acabe logo.


Essa atmosfera tensa é construída não só através da câmera única que segue Kaja e os demais personagens, mas principalmente por transformar-se numa espécie de câmera-personagem, já que corre junto com os jovens, cai, se esconde e até espia entre as árvores. Esse artifício, além de provocar adrenalina e manter o ritmo acelerado, é fundamental para nos inserir na história, numa experiência imersiva como poucos longas foram capazes de oferecer. Assim, sentimos o mesmo horror vivenciado por Kaja e seus compatriotas.


Utilizando o design de som de forma inteligente, podemos até não saber e muito menos ver o psicopata, mas sentimos sua presença através dos tiros, já que o volume dos ruídos acompanha a distância a que foram disparados. Sendo assim, por mais assustador que possa parecer a cadência aleatória de tiros, não há pavor maior do que escutá-los como se estivessem ao seu lado, e essa sensação é palpável.


Infelizmente, o filme comete alguns equívocos no caminho, como ao levar sua protagonista a cantar (isso mesmo) num momento onde claramente não há clima para isso. Aliás, o roteiro não demonstra a menor competência para ilustrar as conversas durante a narrativa, apelando para alívios cômicos artificiais (numa situação como essa, há motivo para rir?) e diálogos que em nada agregam ao filme (geralmente aqueles envolvendo Magnus). Felizmente, há algumas sutilezas que aumentam a carga dramática, como o subtexto envolvendo um jovem muçulmano com medo de ser afetado caso o atirador também seja um, e um momento de partir o coração envolvendo uma mãe ligando para alguém já abatido pelo atirador.


Tão impactante quanto seu próprio relato é a reflexão de que nem todos os atentados são de autoria da Al Qaeda, pois às vezes o problema pode vir de quem menos se espera: de dentro do próprio país. Pode ser aquele vizinho estranho ou o conhecido com ideias radicais. Afinal, há perigo maior do que aquele representado por quem convive conosco?


NOTA 8,5


Crítica originalmente publicada como parte da cobertura do Festival do Rio 2018


Commentaires


bottom of page